10 de fev de 2011

FOI BONITA A FESTA, PÁ!

(por Bira Dantas)
-
Eu começo este texto, parafraseando o inspiradíssimo Chico Buarque.
Foi bonita mesmo!
A premiação literalmente bombou.
O auditório estava lotado. Nossos agradecimentos ao Worney (um verdadeiro herói na defesa da Memória do Quadrinho Nacional), Instituto Cervantes (que através da Laís, do Depto Cultural, disponibilizou um ótimo espaço ao evento), à Cida Cândido que fez uma ótima assessoria de imprensa (que resultou numa bela matéria do Diario de S.Paulo), a todos que promoveram e propagandearam o evento e aos que estiveram presentes..
Pois o lado de fora do auditório também bombou.
A palestra de Marcelo Cassaro e Petra Turma da Monica Jovem) foi disputadíssima.
O jornal da ABI especial sobre Quadrinho Brasileiro, levado pelo editor Francisco Ucha, fez o maior sucesso. Segundo Franco de Rosa:
"Não lançamos o nosso Especial de Quadrinhos pela Escala, mas o Jornal da ABI fez algo muuuuuito parecido. Inclusive dando destaque a Mauricio de Sousa. O Jornal está espetacular. Confiram..."
http://www.readoz.com/publication/read?i=1033687#page1
As bancas do Quarto Mundo, Crás Editora e Comix levaram o que há de novo no mercado dos Quadrinhos brasileiros: o premiado Bando de Dois (finalmente conheci o fantástico Danilo Beyruth, que autografou e pincelou maravi-tenebrosos desenhos), gostei de World Police e Anjos da Mata (Wilson Kohama), Em busca das Estrelas e Rafe (Thiago Spyked), no estande da Comix pude comprar os ótimos ScaryGirl, Peixe Peludo, 676 Aparições de Killoffer e o belíssimo livro de HQs da família Matuck...
Nanquim descartável em edição super-especial. Daniel Esteves traz a nata dos desenhistas para colocarem no papel toda a verborragia quadrinhística de San, Ju, Pedro e seus amigos. Wanderson de Souza, Alex Rodrigues, Carlos Eduardo, Fred Hildebrand, Wagner de Souza, Mario Cau, Julio Brilha e Mario Cesar dão um show de virtuosismo em matéria de desenho, mas Mario Cau esnoba em várias técnicas do nanquim, grafite e aguada.
O sempre ótimo e criativo Subterrâneo surpreende sempre.
Encontrar amigos como Edu Mendes, Edu Vetillo, Edgard Guimarães, Gazy Andraus, Luigi Rocco, Dedo Zuka, Marcio Sno (com seu "Fanzineiros do Séc. passado), Fernando dos Santos, Vasqs, Fausto, Daniel Alves, Caio Majado, Will, Hugo Nanni, Eloyr Pacheco com sua bela e nova edição de Escorpião de Prata, Daniel, Worney (e filhos) e mais tantos que só vou lembrar quando esta entrevista estiver publicada (rs).

FALANDO DO UMBIGO
Na hora de mostrar o que está fazendo, Eloyr Pacheco falou de novos projetos; Gil Mendes distribuiu um appetizer do notável Lorde Kramus, Quadrinhos de capa, espada e magia, sempre acompanhado de ótimos desenhistas, Claudio Martini se emocionou ao falar das últimas edições, novos projetos de sua pequena e brava editora Zarabatana e Paulo Miguel disse que seu Zine Benjamin Peppe está aberto a colaborações pelo e-mail
benjaminpeppe@gmail.com. Eu falei da visita do grupo de quadrinhistas e agentes de Quadrinhos coreanos a São Paulo, e do contato deles com a AQC (brevemente, postarei os detalhes da reunião).
Worney distribuiu posteres presenteados pelos coreanos à AQC. Dentre as perguntas, quem foi o primeiro quadrinhista coreano (rs), a data da publicação de As Aventuras de Nhô Quim por Angelo Agostini e o significado da sigla EBAL.
O pessoal tava afiado e acertaram quase todas.

A PREMIAÇÃO
A alegria dos colegas de HQ baianos, Helcio Rogerio e Marcos Franco do fantástico e premiadíssimo independente Lucas da Vila de Sant'ana da Feira, foi demais. Eles enviaram vídeo agradecendo a votação e mostraram que o Quadrinho regional bem feito pode sim ganhar o Brasil inteiro e o mundo. Sem fronteiras.
Marcio Baraldi, como sempre, disparou críticas aos que criticam o Troféu Angelo Agostini, mas propôs que criemos uma regra em que o profissional não receba mais que 5 vezes o mesmo prêmio.
Edgar Guimarães não falou muito. Nem precisava, mostra que seu fanzine QI ainda é o mais querido e o mais votado. Parabéns a ele!
A emoção de Dag Lemos, com seus quase 80 anos, Novaes, Franco e Eduardo Vetillo, que ganharam como Mestres foi o ponto alto da tarde. E.C. Níquel e Elmano Silva não puderam estar presentes.
Mas a imprensa especializada esteve lá: Heitor Pitombo, Jota Silvestre, Manoel de Souza, Renato Lebeau, Paulo Ramos.
A HQ coletiva de Edson Pelicer ganhou muitos mais quadros interessantes, apesar do pessoal estar mais interessado em bater papo e ouvir debates do que em desenhar.
A exposição "ANGELO AGOSTINI INVADE" invadiu o Cervantes em Sampa, depois de evadir de Campinas, onde invadiu a Escola de Arte Pandora, o CCLA, o CDC e o NEPO (Unicamp) e o Senai. É uma satisfação ver que tanta gente de fora do círculo normal, vai tendo contato com o trabalho deste gigante...

MENINO-PRODÍGIO
Marcio Baraldi não é Robin, mas chega perto.
O cartunista mais rock'n roll do planeta mostra que tem uma memória prodigiosa (é incrível, ele lembra de tudo) e não tem papas na língua. Quando é pra defender um dos prêmios mais populares do Quadrinho nacional, ele arregaça as mangas e defende mesmo! Como gritaram lá na premiação:
"Ele é o Capitão Nascimento da HQ brazuca!"
http://www.bigorna.net/index.php?secao=artigos&id=1297088662

VÍDEOS DO ELYDIO
Enquanto a turma do webTV "HQ, Além dos Balões" não posta a cobertura total do evento, vocês podem assistir aos vídeos de Elydio Santos Neto:
Cavatina, homenagem a Agostini e Cervantes
http://www.youtube.com/watch?v=LBpdmrhajfE
Gaita com Bolsa Guitar
http://www.youtube.com/watch?v=wyRZVO-5iGw
Explicando a exposição:
http://www.youtube.com/watch?v=xnsdRVtYd3k

DANILO BEYRUTH NO BLOG DO LEBEAU:
http://rquadrinhos.blogspot.com/2011/02/novidades-zarabatana-e-danilo-beyruth.html
“Estou realmente satisfeito com o Bando de Dois. Ainda mais porque no ano de 2010 tiveram muitos bons lançamentos. Para mim isso é um reconhecimento em dobro. Não esperava a repercussão, mas é claro que como todo artista fiz a obra para ser o meu melhor trabalho já realizado”, disse Danilo.

FINALIZANDO
Como cantou Chico Buarque: "Foi bonita a festa, pá..."
Até ano que vem, com mais homenagem ao precursor e ícone do Quadrinho nacional.