17 de fev de 2014

EMOÇÕES E HOMENAGENS MARCARAM O 30º TROFÉU ANGELO AGOSTINI - O DIA DO QUADRINHO NACIONAL


Emocionante. Assim foi a festa de entrega do Troféu Angelo Agostini deste ano.
Para a premiação de quadrinhos mais antiga do país atingir a marca de 30 edições, não foi nada fácil. Afinal, em um país sem memória, lá em 1983, uma récem fundada associação intitulada AQC, instituiu o dia 30 de janeiro, como sendo o Dia do Quadrinho Nacional, e nessa data, passou a homenagear os artistas que dedicaram pelo menos 25 anos de trabalho às nossas HQs, consagrando-os como Mestres.  Dessa homenagem, precedida de um troféu, ampliou-se para também premiar os melhores artistas e trabalhos do ano anterior. 

E quando se fala em homenagem, a emoção sempre prevalece. 
Assim foi nesses  30 anos e não seria diferente, naquela tarde de 01 de fevereiro ultimo, no Auditório da Biblioteca do Memorial da América Latina.


EXPOSIÇÃO DOS MESTRES

A programação começou às 13 horas, com a abertura da exposição MESTRES DO QUADRINHO NACIONAL, que  apresenta uma pequena amostra do talento de artistas já consagrados como Mestres pela AQC , como Rodolfo Zalla, Julio Shimamoto, Deodato Borges Filho (Mike Deodato), Primaggio Mantovi, entre outros.  A mostra inclui também artes inéditas, enviadas especialmente para a exposição, que ficará em cartaz até o dia 28 de fevereiro.

 Panorama da exposição



Logo depois, o cartunista Flavio Almeida, lançou e autografou Flaviolândia, coletânea de 35 anos de seu trabalho na imprensa, em publicações como O Pasquim e MAD.

Emoção foi ver as mulheres tomarem conta de todo o ambiente, reafirmando seu talento também nos cartuns e nas HQs, com o lançamento da revista Picles “SÓ MULHERADA”, que apresenta trabalhos de Anita Costa Prado, Natalia Forcat, Thina Curtis, Rose Araújo e tantas outras, totalizando 46 autoras de várias partes do país, além de Portugal e Japão.


Junto com elas, outros autores também levaram suas revistas para o evento, como Byrata (Xirú Lautério), Marcos Venceslau (Humor em quadrinhos), Bira Dantas (Bira Zine 2), Daniel Esteves (São Paulo dos Mortos), Quadrinhos Inquietos (vários), Eduardo Vetillo (A Retirada da Laguna) entre outros. A Loja COMIX, se fez mais uma vez presente, levando boa parte de seus títulos. E não é emocionante você adquirir autografado, aquele gibi que tanto procurava?

 Natalia Forcat, Anita Costa Prado, Byrata, Regi e Thina Curtis








MAIS EMOÇÃO NAS HOMENAGENS

Às 14 horas, começou a exibição de “Kactus Canini Kid – uma Graficobioanimada”, curta metragem produzido pelo desenhista e roteirista gaúcho Lancast Mota (criador da série animada Anabel), contando um pouco da carreira de Renato Canini, que foi um dos maiores desenhistas brasileiros e nos deixou em 30 de outubro último, aos 77 anos. Na sequência, o próprio autor do curta, participou de um bate papo, ao lado de Fernando Ventura e Primaggio Mantovi, artistas que tão bem conheciam a pessoa sensível e o criador incomum que ele era.


Kactus Kid, de Canini, em ação

 Primaggio Mantovi, Fernando Ventura e Lancast Mota,
falando sobre a obra de Renato Canini

Em seguida, um encontro histórico e emocionante. 
Trinta anos depois, as pessoas que criaram e participaram da fundação da AQC, se reuniram para falar de como foram esses anos de muita luta e conquistas. Na mesa, Jal e Gualberto Costa (Troféu HQ MIX), Bira Dantas, Eduardo Vetillo e o mentor e mantenedor do Troféu durante muitos anos, Worney Almeida de Souza.

 Eduardo Vetillo, Worney A. Souza, Bira Dantas, Gualberto Costa, Jal
e o início da AQC


Desenhistas, jornalistas e fãs circulavam pelo Memorial e também pela plateia, ora acompanhando os filmes e debates, ora fazendo contatos e colocando a conversa em dia. Registro aqui a presença de Ivan Freitas da Costa, Nobu Chinen, Déddy Edson, Edgar Guimarães, Rodval Matias, Tony Fernandes, Will, Tomaz Edson e Denise Ortega, Aluir Amãncio, Laudo Ferreira Junior, Luigi Rocco, Wagner Moloch e Edson Gasparim.

DESVENDANDO O PRIMEIRO MESTRE
O documentário inédito Desvendando Angelo Agostini, de Bira Dantas e Artie Oliveira, mostrou um pouco da história do patrono da nossa HQ, muitas vezes desconhecido do grande público, e também fez um balanço sobre os 30 anos de criação da AQC, através de inúmeros depoimentos colhidos especialmente para o filme. 


RELEMBRAR OS QUE SE FORAM

Uma tradição do evento, é sempre relembrar e homenagear os artistas falecidos no ano anterior e que tanto contribuiram para os quadrinhos e as artes gráficas em nosso país.

Assim o publico pode ver e rever no telão, os trabalhos de Cláudia Levay, Renato Canini, Eros Maichowicz, Amâncio, Dag Lemos, Antonio Luiz Cagnin, Moacy Cirne e o Prof. Elídio dos Santos. Pura emoção. 




FECHANDO COM CHAVE DE OURO

Às 17 horas teve início a entrega dos troféus, e apesar da ausência de boa parte dos premiados, o que não faltou foi emoção.

O prêmio de Melhor Desenhista foi para o cartunista Shiko, autor entre outros da Graphic MSP Piteco Ingá, e que, por estar na Paraíba, foi recebido aqui pelo cartunista Bira Dantas.

Gustavo Duarte, autor de Monstros e de Chico Bento Pavor Espaciar, recebeu o prêmio de Melhor Roteirista das mãos de Natália Forcat. No discurso emocionado agradeceu e destacou a importância do prêmio.

 Gustavo Duarte recebe o seu troféu
 
Outra ausência sentida foi a de Angeli, eleito pelo público votante o Melhor Cartunista de 2013, representado no evento pelo jornalista  e colecionador Kendi Sakamoto.

 Kendi Sakamoto recebe o prêmio pelo cartunista Angeli


Ao subir no palco, a euforia tomou conta dos desenhistas Flavio Soares e Lúcio Luiz.  Afinal, com apenas uma edição lançada ( estamos esperando as próximas) o seu gibi infantil MENINOS E DRAGÕES faturou o prêmio de de Melhor Lançamento de 2013.

Gualberto Costa, representou a galera da PLATAFORMA HQ, belíssima coletânea gaúcha, que ganhou o prêmio de Melhor Lançamento independente.
Thina Curtis, da revista Picles – Só Mulherada, representou no palco, o pessoal do QUADRINHOS ÁCIDOS, de Londrina, eleito pelo público o Melhor Fanzine.




 Flavio Soares e Lúcio Luís



 Gualberto Costa

O Prêmio Jayme Cortez desse ano, foi para Sidney Gusman, que dispensa maiores comentários. Afinal, boa parte dos premiados desse ano, foi editado por esse grande jornalista, que está fazendo a revolução nos Estúdios Mauricio de Sousa. Por estar em viagem pela Europa, foi representado por um entusiasmado e emocionado companheiro de trabalho: o desenhista Mauro Souza, que além de Editor de Arte das Graphics MSP, também é o responsável pelas belas capas dos gibis da turminha. 

 Mauro Souza recebe o prêmio por Sidney Gusman




ENFIM, OS MESTRES

O momento mais emocionante do evento ficou para o final: a consagração dos Mestres desta edição. Este ano, foram três. Lourenço Mutarelli, em período de filmagens, não pode comparecer para receber o prêmio especial pelo seu trabalho, que foi além dos quadrinhos, chegando ao cinema e teatro.

O cartunista Byrata, veio de Santa Maria, RS, especialmente para o evento em que foi homenageado pelos seus mais de 30 anos de carreira. Em um discurso emocionado, o criador do personagem Xirú Lautério, contou um pouco sobre sua carreira, sua luta e a de tantos outros quadrinhistas do Rio Grande do Sul.





 Bira Dantas falando sobre a carreira do cartunista Byrata,
novo Mestre do Quadrinho Nacional



PAULO PAIVA

Quando se pronunciou o nome de Paulo Paiva Lima, a emoção tomou conta de todos. Estava ali, para receber seu troféu, o criador dos personagens Chico Peste e Maciota, da Anacozeca (associação nacional dos cobradores do Zé Carioca), o editor da Press Editorial e das revistas do Ary Toledo e de tantos outros trabalhos. Um ícone dos quadrinhos nacionais, afastado há algum tempo por conta de um AVC, que limitou-lhe os movimentos, mas não sua criatividade, demonstrada nas poucas palavras bem humoradas.




Aplaudido de pé, por todos, Pepê, como é conhecido, estava ali, recebendo talvez a primeira grande homenagem em toda a sua carreira, cercado de amigos e admiradores de seu trabalho. Mesmo em situações adversas, a garra e a determinação de Pepê quebraram todas as barreiras, e cativaram até pessoas que o conheceram em momentos difíceis de sua vida. Como aquela mulher.


Foi a primeira pessoa que não fazia parte da organização do evento, a chegar ao Memorial. Acomodou-se em uma poltrona do auditório, e pacientemente esperou. 
Acompanhou toda a programação com seriedade, atenção e carinho. 
E foi com essa mesma seriedade que ajudou a salvar a vida do nosso Grande Mestre Paulo Paiva
A moça que julgávamos ser apenas uma fã ardorosa das Hqs (embora ela seja mesmo) era a Dra. Paula Annunciato Fabris, médica neurocirurgiã, que operou o nosso Pepê, junto a outros medicos e salvou-lhe a vida.

Ela vinha agora aplaudir de pé, mais uma vitória do amigo que foi seu paciente, e que desde esse dia em diante transformou-a em sua fã.

Emocionante!  
O ano que vem tem mais!

Paulo Paiva é só alegria, ao lado de sua companheira Suely Furukawa
e da Dra. Paula Annunciato Fabris

 Ao final, a equipe organizadora do evento sobe ao palco:
Fernando dos Santos, Alexandre Silva, Aparecido Norberto,
Worney A. Souza, Laís Barbosa (Memorial), Marcos Venceslau e Bira Dantas 


AGRADECIMENTOS:
Franco de Rosa, Marcatti, Will, Jorge Rodrigues (COMIX), INARCO,
Laís Barbosa (MEMORIAL)

Suely Furukawa, Thina Curtis e Dra Paula Annunciato Fabris, pelas fotos