1 de fev de 2013

HOJE, SÁBADO, TROFÉU ANGELO AGOSTINI NA BIBLIOTECA DO MEMORIAL DA AMÉRICA LATINA, EM SAMPA

Esperamos todos neste dia 02 de fevereiro de 2013, no Memorial da América Latina, em São Paulo, a partir das 14h00. Auditório da Biblioteca do Memorial da América Latina
Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664, Barra Funda, São Paulo - SP (Próximo ao metrô Barra-Funda)

Antes de mais nada, agradecemos a todos que suaram a camisa para realizar esse evento (desde o processo de votação do Troféu AA, passando pela apuração dos quase 15.000 votos, discussão do evento, confecção dos convites, montagem da exposição, retirada dos troféus) e que ainda a essa hora da noite preparam etiquetas, apresentações para data-show, bandas sonoras, postagens no Blog e no Facebook: Agradecemos ao João Batista Andrade e Gonçalo Jr, que abriram as imensas portas Niemeyerianas ao Troféu Angelo Agostini, a Inarco, empresa que gentilmente produz as estatuetas do Papagaio, símbolo do Humor; ao Worney (que, apesar de estar passando o bastão desde o ano passado, ainda deu dicas preciosas e resolveu algumas "paradas"); Fernando dos Santos, Marcos Venceslau, Bira Dantas, Marcatti, Eduardo Vetillo, Alexandre Silva, Cidão Norberto, Franco de Rosa (que vai apresentar os premiados), Cida Cândido (assessoria de imprensa), Jota Silvestre (Novidades dos Quadrinhos), além dos que ajudaram nos bastidores como Marcio Baraldi, Primaggio, Fabio Sales e tantos outros. NOSSO MUITO OBRIGADO. PREMIADOS:
Desenhista: Danilo Beyruth
Roteirista: Petra Leão
Cartunista: Jean Galvão
Lançamento: "O Astronauta, Magnetar" (Panini)
Lançamento independente: "Last RPG Fantasy"
Prêmio Jayme Cortez: Gibicon Curitiba
Fanzine: Quadrante Sul (RS)
Mestres: Marcos Maldonado, Júlio Emílio Braz, Jô Fevereiro.

PROGRAMAÇÃO
13h30 - Abertura do espaço "Banca da Comix" e Exposição "Trapalhões Estudio Ely Barbosa".
14h00 - Abertura da solenidade com João Batista de Andrade (Presidente do Memorial) e Gonçalo Jr (Gerente de Comunicação do Memorial).
14h30 - Mesa redonda "Os Quadrinhos dos Trapalhões no Estudio Ely Barbosa" com Otávio Barbosa, Eduardo Vetillo, Bira Dantas, Alexandre Silva e Cidão Norberto.
16h00 - Novidades nos Quadrinhos
16h30 - Inicio da Premiação
18h00 - Confraternização geral na Lanchonete do Memorial.
ENTRADA FRANCA
A Biblioteca é o prédio de número 4 do Mapa (clique na imagem para ampliar):
A EXPO
Essa exposição com mesas de vidro (iluminadas por dentro) vai resguardar os gibis e a qualidade dos originais (que não precisarão ser colados em biombos com fita adesivas). Além disso, quem estiver na premiação poderá ver a Exposição de Caricaturas e Cartuns em homenagem ao Niemeyer (organizados pelo Jal, da ACB) e a Exposição de Capas de Cordéis (que traz arte de grandes nomes do Quadrinho brasileiro como Sérgio Lima -Terror, Disney, Trapalhões- e João Batista Queiroz -Cacareco, Oscarito e Grande Otelo, Hanna-Barbera, Os Trapalhões-).
DEBATE É UMA HOMENAGEM A DOIS GRANDES NOMES DO QUADRINHO NACIONAL: ELY BARBOSA E EDMUNDO RODRIGUES O primeiro montou o estúdio que abasteceu editoras como RGE (Rio Gráfica e Editora) e Bloch (entre outras). O segundo foi o responsável pelo sucesso dos gibis no formatinho. Mas não é só isso. Foi Edmundo quem bancou o projeto de Ely Barbosa de reformular o gibi dos Trapalhões. Como disse o cartunista Bira Dantas:
"Este paraense, que aos cinco anos mudou com a família para o Rio de Janeiro, estudou arte no Liceu e foi até Hollywood estudar Comics na Escola Continental. Viveu em Sampa, trabalhando para várias editoras da cidade. Foi desenhista personagens de rádio e TV como "Jerônimo, o Herói do Sertão", e "Falcão Negro", herói de um programa de televisão. Publicou quadrinhos de Terror na revista Calafrio. "Irina, a Bruxa" é sua personagem mais conhecida, publicada pela editora Taíka e Bloch. O mestre editou quadrinhos na Bloch. Dentre as centenas de gibis, foi responsável pelo novo "Boom" dos Quadrinhos de Super-heróis. Em 1971 eu estava com 8 anos e começava a comprar gibis escondido da minha mãe. Ela achava que eu iria deixar de estudar. Não só continuei a estudar, como era um dos melhores alunos da classe. E minha coleção ia crescendo. Assim como o número de desenhos que eu fazia baseado em John e Sal Buscema, Herb Trimpe, John Romita, todos editados e publicados por Edmundo na Bloch. Na mesma época, o Gibi semanal era publicado pela RGE. Mas eu não ligava muito para os clássicos ainda. O que me ganhou para os Quadrinhos foram os gibis em formatinho que Edmundo lançava. Podem falar o que quiserem, estes eram meus favoritos. Depois conheci todo o resto. Clássicos e formidáveis, como as suas próprias HQs mencionadas acima. O responsável por essa minha paixão, certamente foram os gibis que passaram pelo crivo de Edmundo. Depois, a grande alegria foi através do amigo Ulisses, do site http://www.nostalgiadoterror.com , manter contato com o mestre. Por e-mail, orkut ou facebook, começamos a bater papos sobre o mercado, os tempos áureos do Quadrinho nacional e este novo boom que temos visto na última década, em especial nos últimos 3 anos. Foram muito boas conversas. O mês de setembro de 2012 nos levou o mestre, mas deixou a sua arte genial e criativa intocada. EDMUNDO, VALEU POR TUDO."
Por e-mail, orkut ou facebook, conversou com muitos fãs sobre o mercado de Quadrinho nacional. Foi assim que acertou sua participação no livro "100 vezes AQC", meses antes de falecer no fim de 2012. NOVIDADES DOS QUADRINHOS: 10 FATOS IMPORTANTES PARA O QUADRINHO NACIONAL EM 2012 O jornalista Jota Silvestre dificilmente estará presente no evento, mas marcará presença com sua lista dos 10 mais de 2012: http://revistaogrito.ne10.uol.com.br/papodequadrinho/
1. Financiamento coletivo de quadrinhos. Projetos importantes foram viabilizados com a participação dos leitores: SAMBA, COLETÂNEA PETISCO, RYOTIRAS, SALOMÃO VENTURA, BEIJO ADOLESCENTE 2 e outros.
2. Estreia da Coleção Graphic MSP A primeira edição, ASTRONAUTA-MAGNETAR, foi sucesso de público e crítica, tendo despontando na maioria das listas de Melhores HQs de 2012.
3. Morro na Favela na Europa André Diniz, um dos melhores profissionais brasileiros da atualidade, teve sua HQ publicada na França e na Inglaterra.
4. Financiamento público de quadrinhos Por meio do ProAC, do Estado de São Paulo, nove HQs nacionais foram publicadas em 2012: Fade Out: Suicídio Sem Dor , Se a Vida Fosse como a Internet, A Jornada de Guga e Léo , Seu Turno, A Desistência do Azul , Sabor Brasilis , Km Blues e Alma: A História da Praça Esportiva Mais Antiga do País.
5. Turma da Mônica Jovem Mauricio de Sousa teve dois lances de gênio com esta linha de revistas: o crossover com personagens de Osamu Tezuka e o casamento de Mônica e Cebolinha.
6. Republicação de O Vira-Lata Pela primeira vez a clássica HQ de Paulo Garfunkel e Libero Malavoglia foi compilada num único volume, com adendo de uma história até então inédita.
7. Republicação de Diomédes A Quadrinhos na Cia fez um excelente trabalho em reunir todas as aventuras do detetive criado por Lourenço Mutarelli. Os originais estavam esgotados há anos nas livrarias.
8. Documentário com a vida de Rodolfo Zalla Justa homenagem a um dos mestres do quadrinho nacional num DVD produzido com reverência por Márcio Baraldi.
9. Relançamento de Pelezinho Quase 40 anos depois, as tiras e histórias em quadrinhos estão sendo relançadas por Mauricio de Sousa, dando chance para as novas coleções conhecerem sua qualidade.
10. Debate sobre a nova lei dos quadrinhos brasileiros Poucas vezes nos últimos anos se viu a comunidade quadrinhística tão engajada numa discussão. O debate teve início nas redes sociais e passou para a vida real no Prêmio Angelo Agostini de 2012. Eu gostaria de lamentar o fim do selo de Quadrinhos Barba Negra, da livraria HQmix (dos amigos Gualberto e Daniela Baptista) e do Quarto Mundo.
HOMENAGENS
Nem tudo foi alegria. Lamentamos profundamente a perda de mestres e profissionais no ano de 2012.
GUTEMBERG MONTEIRO
MILLOR FERNANDES
EDMUNDO RODRIGUES
AL RIO
PATRICIA ZACCARIAS (arte finalista dos Estudios Mauricio de Sousa)
QUADRINHO NACIONAL NA BANCA DA COMIX A partir das 13h30, a Banca da Comix estará funcionando a pleno vapor. Quem chegar com revistas independentes ou zines, pode deixar com o Jorge que se encarregará de vendê-las. É só levar junto dos exemplares, uma folha com o número de revistas, preço (lembre que a comissão de livraria é de 30%), nome, telefone ou e-mail. O acerto deverá ser feito em 3 semanas, quando a empresa do cartão fará o acerto com a livraria Comix.