9 de jul de 2013

UM TALENTO QUE ATRAVESSA GERAÇÕES

a trajetória de Izomar Camargo Guilherme



UM SONHO DE MENINO

Capa de Izomar para a revista MAZZAROPI

Nos anos 1950, enquanto desenhava belissimas capas para a Editora La Selva, Jayme Cortez formava pelo Brasil um pequeno fã-clube. Eram jovens aspirantes a desenhistas, que queriam trabalhar com hqs. Na pequena cidade de Assis, interior de São Paulo, um jovem se preparava para mandar seus desenhos para avaliação. Sonhava em trabalhar com histórias em quadrinhos, era sua paixão. 

Viajou então para a capital, e esperava sair daquele sobrado da V. Mariana, sede da La Selva, com algum trabalho embaixo do braço. Cortez avaliou seus desenhos e soltou a seguinte frase:  — Isso não pode ser o trabalho de um profissional! —e jogou em cima da mesa, aquelas folhas rabiscadas com tanta esperança. 

Para muitos o que poderia ser um trauma, para o jovem Izomar Camargo Guilherme foi estímulo.  A rudez das palavras (caso semelhante teria ocorrido com Julio Shimamoto, outro grande mestre), serviram para que ele aprimorasse seu traço e melhorasse cada vez mais. Essa era a intenção de Cortez
Tanto que algum tempo depois, ele encomendou o primeiro trabalho ao rapazote. 


Assim, o jovem passou a desenhar para a revista FUZARCA E TORRESMO, com roteiros de Claudio de Souza. Fazia também a arte final a pincel. Tudo era feito em cartolina, pois não existia papel especial. 

Dali se seguiram participações em CAREQUINHA E FRED, com histórias de uma página, e as incríveis capas da revista MAZZAROPI, que até então eram feitas apenas pelo Cortez.

                   Capa de Izomar Camargo Guilherme para a revista MAZZAROPI, n. 18.


Na revista FANTASIA, também da La Selva (1960-61), Izomar fazia tudo. Roteiro, desenho e arte final. Para ela, criou os personagens Dingo e Dungo, que fizeram grande sucesso.
Aventurou-se também no gênero "terror", sempre convidado por Cortez, cujo traço imitava com perfeição.

Até ser convidado pelo seu amigo Waldyr Igayara de Souza, a trabalhar na Abril. A pequena editora paulista já caminhava para ser a líder e ameaçava a supremacia dos grupos cariocas, como Ebal, O Cruzeiro, Bloch e RGE (Roberto Marinho). 
Seu trunfo eram os gibis Disney e a produção de suas hqs no Brasil, iniciada em 1961. 

Izomar começou fazendo capas para a revista ZÉ CARIOCA, e depois muitas hqs, quase sempre em parceria com Igayara nos roteiros.


Página da hq UM FESTIVAL EMBANANADO, uma das muitas feitas pela dupla Igayara e Izomar. Produzida em 1968, satirizava os festivais de música da época. Foi republicada em 2012, no ESPECIAL ZÉ CARIOCA 70 ANOS.


Em 1968 participou junto a Igayara, Sonia Robatto e Ruth Rocha, da criação de um marco na história das  publicações brasileiras: a revista RECREIO. 
Denominada a "revista-brinquedo", RECREIO vinha direcionada às crianças em idade pré-escolar e trazia contos, atividades e brinquedos para recortar e montar. 

Foi um sucesso estrondoso, chegando a ser adotada em escolas por todo o país, como material paradidático. Lançou muitos autores como Ana Maria Machado, Flavio de Souza,  Eliana Sá, e fez saltar no jovem Izomar a veia de escritor. Entre muitos contos infantis que escreveu e ilustrou, GELOSO, O GELINHO (publicada em RECREIO n. 60, 1970) foi um dos que mais fez sucesso, tanto que motivou a Editora Moderna a transformá-lo em livro alguns anos depois.

A revista RECREIO foi um divisor de águas e deu impulso à produção de literatura infantil, lançando novos autores




Com o sucesso da publicação, Izomar torna-se Diretor de arte da editora, atuando no Departamento de Criação, cuidando das capas e também do conteúdo de boa parte dos títulos em quadrinhos da década de 1970 e 80. Sob sua direção estavam Henrique Farias, Luiz Podavin, Napoleão Figueiredo, Paulo José da Silva, entre outros. 
Deu oportunidade e orientou muitos jovens na arte dos quadrinhos. Como fez em 1972, quando  recebeu em sua sala um menino de apenas 13 anos que sonhava desenhar quadrinhos Disney. O menino apelidado depois de Chin era Euclides Kioto Miyaura, considerado hoje um dos maiores desenhistas Disney brasileiros, publicando inclusive em outros países.

Em paralelo, Izomar continuou sua carreira como autor infantil, lançando as obras A LAGARTIXA QUE VIROU JACARÉ, UM PEIXINHO DO OUTRO MUNDO e BRIGA DE UMA NOTA SÓ, todas ilustradas por ele. Seus livros acabam de chegar  à Europa, Estados Unidos e América Latina.




E assim Izomar foi se distanciando dos quadrinhos e se dedicando mais a escrever e desenhar. Ao sair da Abril na segunda metade da década de 1990, passou a ilustrar livros didáticos. 

Aos 74 anos, Izomar é um artista incansável. Continua atuante, desenhando para várias editoras. Por opção, não aderiu à modernidade.

É um dos últimos representantes de uma geração em que a arte era feita em papel Schoeller, a lápis, coberto com nanquim preto e colorida com tintas guache, ecoline ou aquarela. Arte pura, sem computador.


 Mural com desenhos feitos pelos alunos da Escola Presidente Vargas, em abril de 2013, após a leitura da obra A LAGARTIXA QUE VIROU JACARÉ.

Quer encontrá-lo? Quando não está debruçado na prancheta fazendo o que mais gosta, poderá vê-lo em suas caminhadas diárias pela Avenida Paulista, próximo de sua casa. Ou em uma cafeteria que frequenta na mesma avenida, onde entre suas altas gargalhadas e seu bom humor, cativa a todos contando histórias da vida. Que o diga a atendente Cristina, fã do freguês assíduo.

Capa de Izomar para a edição do Círculo do Livro de EMÍLIA NO PAÍS DA GRAMÁTICA,
obra de Monteiro Lobato.

Eu o encontro quando olho para um quadro na parede do meu escritório, que protege a arte original de capa do gibi MAZZAROPI, feita por ele em 1958. Apesar do papel amarelado pelo tempo, a arte continua belíssima e parece que foi feita ontem. 

Essa capa me transporta para o tempo da Editora La Selva, de Jayme Cortez, dos gibis do MAZZAROPI, OSCARITO E GRANDE OTELO e dos grandes profissionais que se formaram ali, do menino Izomar que sonhava em desenhar quadrinhos e o fez com maestria, ensinando e lançando muitos profissionais. 

E quando volto aos dias de hoje, o encontro firme, forte e atuante, ilustrando para livros didáticos e paradidáticos em editoras como Moderna, Saraiva, FTD, entre outras.

 O quadro da esquerda é a capa original da revista MAZZAROPPI, n. 18, criação e arte de Izomar (veja a reprodução da capa impressa lá pra cima). Ao lado, capa também original do mestre Jayme Cortez para FUZARCA E TORRESMO. Ambas dos anos 1950.

Sua arte, enquadrada ali na parede, sobrevive ao tempo e atravessa gerações. 

O artista também.   





Os livros de Izomar podem ser adquiridos aqui:

http://www.modernaliteratura.com.br/main.jsp?lumPageId=4028818B30410B7A01304BB1FE4E5C7C&itemId=9EB72E05F55A4BE39D5C981BE8232001

Agradecimento especial:
Alexandre Miasato Uehara

FONTES CONSULTADAS:

Marcos Dhotta - carissimascatrevagens.blogspot.com




bibliotecadaescolapresidentevargas.blogspot.com.br

Museu Mazzaropi

Especial Zé Carioca 70 Anos - Editora ABRIL, nov. 2012.