27 de out de 2011

Lançamento: “Cabeça de Cuia – A dor que antecede a praga”


O que é? Lançamento do livro em quadrinhos “Cabeça de Cuia – A dor que antecede a praga”
Quando será? Dia 31 de outubro, às 19 hs.
Onde será? Na Quinta Capa Quadrinhos Livraria, situada na rua Senador Cândido Ferraz, n 1031.Jockey, Edifício Globo Center, 2º piso, sala 08. (próximo à Panificadora Globo e à FAP)
Contato: Bernardo Aurélio (8844 2773)

O livro “Cabeça de Cuia – A dor que antecede a praga”, de Ednaldo Carvalho, será lançado dia 31 de outubro, às 19 hs, na Quinta Capa Quadrinhos Livraria e é uma obra financiada pela Lei Municipal A Tito Filho, produzida pelo Núcleo de Quadrinhos do Piauí e editada pela Quinta Capa Editora. A lenda piauiense foi adaptada para os quadrinhos em quase 100 páginas e mostra toda a trajetória de transformação do pescador Crispim no terrível monstro que habita as águas dos rios que banham Teresina.
Em 2004, durante o Theresina HQ Festival, evento que o Núcleo de Quadrinhos do Piauí organizou junto com a Fundação Nacional de Humor, o trabalho chamado “A dor que antecede a praga” de Ednaldo foi premiado. A partir de então, ele garantiu presença nas exposições anuais da Feira HQ, sempre sendo selecionado e publicado na revista coletânea de trabalhos vencedores do evento.
O Cabeça de Cuia é um dos principais personagens da cultura popular piauiense. A lenda do Crispim, filho ingrato que agride a mãe e é amaldiçoado por ela pouco antes da sua morte, transformando-o numa criatura monstruosa, é contada de norte a sul do Piauí, percorrendo, principalmente, todas as curvas do rio Parnaíba, que teria se tornado o refúgio da criatura.
Os pescadores do Piauí contam de suas aparições, atrapalhando suas pescarias ou perseguindo moças virgens na tentativa de devorá-las e, assim, acabar com a maldição que caiu sobre ele. O personagem é forte na literatura de cordel, no teatro, na música e, inclusive, como ponto turístico da capital, no encontro dos rios, onde o Parnaíba se junta ao Poty e há uma grande estátua do monstro. Entretanto, faltava uma obra que abordasse toda a dramaticidade que o personagem exigia e que fosse criada numa arte mais acessível à população em geral, faltava uma literatura que valorizasse o personagem de forma mais densa e, ao mesmo tempo, de leitura mais atraente, como só as histórias em quadrinhos podem oferecer.
Ednaldo criou uma obra mais extensa, um romance gráfico tenso que narra a lenda do Cabeça de Cuia de maneira original e horripilante, atualizando, contextualizando e humanizando o personagem. Mas a obra não se limita a apresentar o Crispim apenas como o assassino da própria mãe; há o estudo da loucura, há a preocupação social de tentar justificar o injustificável, há o jovem que sofre o preconceito dos vizinhos, o jovem apaixonado que não recebe um olhar da mulher amada.
A obra apresenta uma certa poesia narrativa e a preocupação de revelar nossos cenários, mostrar nossa cidade e nossa cultura. Uma valorização de nossa história, de nossos mitos, monstros, heróis e vilões