17 de fev de 2012

CARNAVAL, CARICATURAS, ROCK, BLUES E QUADRINHOS

EXPO CARRIERO EM CAMPINAS

Expo do Carriero no Almanaque Cafe durante este carnaval, 25 sambistas clássicos escolhida pelo Riva Rock Discos e na ocasião discotecada pelo Lucas Barata.
O Almanaque Café preparou uma surpresa para o Carnaval! O SALÃO DO ALMANAQUE. Serão 2 bandas tocando marchinhas e samba, e na matinê com As Caixeirosas!
Av. Albino José Barbosa de Oliveira, 1240 - Barão Geraldo (Campinas SP)
Uma parte das caricas ja' foi exposta no ano passado.


REINAUGURAÇÃO DA HQMIX LIVRARIA EM SAMPA
DIA 24 DE FEVEREIRO

Reinauguração da lendaria HQMIX LIVRARIA, dia 24/02.
Rua Tinhorão, bem em frente a FAAP

AUTO ROCK 6ª EDIÇÃO: ENTREVISTA BIRA DANTAS
(B-Side)
Compre o DVD completo pelos emails
contato@sinistrostudios.com
sinistrostudios@gmail.com
http://sinistrostudios.com/autorock-6a-edicao-entrevista-com-bira-dantas/

Da esquerda para a direita: Bruno Mothe, Paulo Gazela, Fabiano Carriero e Bira Dantas
"A sexta edição do Autorock, festival dedicado à cultura independente na cidade de Campinas, contou com exibições de vídeos, exposições e oficinas, além inúmeras atrações musicais. A programação, sob o comando de Daniel Etê, incluiu a exposição “Bluseiros”, realizada no Carriero Estúdio. Foram expostas caricaturas de autoria dos artistas Fabiano Carriero e Bira Dantas em homenagem a grandes figuras do Blues, como Muddy Waters, Eric Clapton, B. B. King entre outros. Houve também a apresentação do Bluesman campineiro Paulo Gazela, gaitista e vocalista, em parceria com o guitarrista Bruno Mothe.
O Sinistro Studios conferiu de perto essa exposição e ainda bateu um papo exclusivo com os artistas Bira e Carriero. E vocês podem conferir logo abaixo a entrevista:

Tirinha feita por Bira Dantas da Expo Bluseiros, na Carriero Estúdio.
Publicada no jornal Correio Popular de Campinas
EXPO BLUSEIROS NO CARRIERO ESTUDIO – CAMPINAS SP
03/12 – Sábado
17:00h – Exposição de caricaturas:
“ Bluseiros” – De Fabiano Carriero e Bira Dantas.
Show com: Dokery Duo – Campinas/SP
Local: Carriero Estúdio – Av. Barão de Itapura, 2043 – Guanabara

S – Quando você iniciou sua carreira de cartunista?
Bira: Comecei a trabalhar com quadrinhos em 1979. Eu fui desenhista do gibi ‘Os Trapalhões” pela editora Bloch e de 82 pra cá eu tenho trabalhado com Charge Sindical. Eu tenho publicado no Sindicato dos Químicos, dos Petroleiros, dos Eletrecitários, no Sindai (o pessoal da Sanasa), até mesmo nos petroleiros do norte fluminense. Essa área sindical sempre me atraiu muito, porque a comunicação com as categorias através das charges se dá melhor. Então eu trabalho com isso desde essa época.

S – Você já expôs na Mostra Luta?
Bira: Já, já.

S – Você sempre participa da Mostra Luta?
Bira: Sempre! Primeiro porque eu conheço o pessoal que organiza e que publica o Fanzine Miséria, que eu sempre curti. Ele tem uma coisa de luta, mesmo porque o quadrinho sempre esteve numa luta contra o sistema. Principalmente o Fanzine, que veio para combater o quadrinho dos super-heróis: aquela coisa da grande editora, como Marvel, DC. Ele veio para mostrar uma outra possibilidade de fazer quadrinhos e mostrar uma outra versão, não a versão dos poderosos: aquela coisa dos Estados Unidos, Tio Sam, mas uma coisa mais Underground mesmo: os que não tinham nada, os que estavam fora do sistema, e estavam ali representados nos quadrinhos Underground. A Mostra Luta tem toda essa pegada do cartoon político e enfocando temas como a desigualdade no planeta, países ricos e países pobres. Isso sempre foi um assunto que me atraiu.

S – O que levou você ao Autorock?
Bira: O Daniel Ete! Eu conheço o Daniel, principalmente o trabalho dele. Desde que ele começou a fazer os cartazes aí pelas ruas de Campinas, de cara eu já gostei muito do traço, da arte final dele, aquilo me chamou a atenção. Depois eu soube que ele era da banda Muzzarelas e finalmente, um dia, numa oficina de Fanzine no Sesc de Campinas, eu conheci o Daniel em carne e osso. Inclusive porque um amigo meu, o Maurílio, dizia que o ele tinha a loja Chop Suey Discos com camisetas, Discos de Vinil, CDs, DVDs, tudo ligado ao rock, ao punk rock, etc. Depois, comecei a frequentar a Chop Suey.
O Fabiano Carriero, quando teve a idéia de montar essa exposição de Blues, conversando com o Daniel, pensou em mim porque eu adoro Blues e eu faço essas caricaturas de Blues desde 1989-90, por influência de outro amigo em comum (a todos: Carriero, Daniel Etê), que é o Marcatti. Um dos maiores desenhistas de quadrinhos Underground do Brasil, com quem eu participei de diversas revistas como a Pântano, Tralha (quando eu morava em São Paulo lá por 87, 88). E ele foi o cara que me mostrou, pela primeira vez (em 1982), um disco de Blues do Muddy Waters produzido pelo Johnny Winter, e eu adorei muito aquilo. Eu já conhecia a banda The Animals, do Eric Burdon. Conhecia o estilo mais Rock n’ Roll da banda. E ele me mostrou um disco que se chama “Before We Were So Rudely Interrupted”, que tem um título estranho, “Antes que fossemos separados tão rudemente”, não sei por que tem esse título. Esse disco possui alguns Blues muito legais. Eu curti muito aquilo e aí virou uma paixão.
Eu gostava de Rock n’ Roll, Punk Rock e até tive um programa de rádio em Paulínia, em 1991, na Rádio Planalto AM. Antes do meu programa havia outro chamado “Programa da Amizade”, de música brega, e depois tinha o “Panorama Sertanejo” de música country, sertaneja. Aí eu imagino que o povo de Paulínia desligava o rádio quando meu programa começa. E nessa eu tocava de Blues a Hardcore, tudo misturado. E eu comprei muito disco. Cheguei a ter quase 600 discos de vinil, a grande maioria era de Blues. E eu sempre gostei mais do Blues Rural, aquele Blues do Mississipi, voz e violão, tipo Leadbelly, um dos caras que eu mais gosto. Muddy Waters é muito bom porque fez a transição do Blues Rural para o Blues Elétrico de Chicago, além de ter toda aquela influência sobre todos os outros músicos. Robert Johnson, Leadbelly, Big Bill Broonzy são caras da velha guarda, da década de 20, da década de 30, e eu realmente tenho um xodó especial por esse Blues de Raiz, que é meio rasgadão, repetitivo, com aquele barulho do pé. Aí tem que falar, é claro de John Lee Hooker, que é sensacional.
Eu fiz, inclusive, uma história em quadrinhos sobre a vida do Robert Johnson para a revista Mosh, uma revista de quadrinhos do Rio de Janeiro, que agora inclusive parou de ser publicada. Foi uma honra, porque a Mosh é uma revista de muito Hardcore, muito Hard Rock e eles puseram o Blues. Quando eu perguntei “Não tem problema?” eles falaram “Claro que não, afinal o Blues é o pai do Rock e o Rock somos nós.” Então, estava tudo em casa.
Realmente, esse imaginário que está por trás do Blues me atrai muito. Não só pelas letras, que muita gente pode até falar que o Blues tem uma letra muito simples, aquela temática meio restrita, mas os caras estavam falando da vida deles há 70 anos atrás, 80 anos atrás, 100 anos atrás, crônicas de vida, caras que viam, por exemplo, o amigo pendurado na árvore, enforcado, porque era negro. Inclusive, eu costumo falar que muita gente não gosta de Hip Hop ou de Hardcore porque dizem que é um som difícil de escutar. Eu acho que o Blues era o Hip Hop, o Hardcore daquela época, pois tinha muita gente que ouvia aquilo e falava “Pô, não quero ouvir isso! Esse som lamentoso… Essas denúncias todas… Esse submundo… Eu não quero ouvir isso!”. Só que essa era a realidade. Então, na verdade, eu acho que o Blues tem esse papel de escancarar essa desigualdade, de mostrar que o mundo não é tão bom quanto muita gente tenta pensar que é. E o cartoon tem esse lado de mostrar o comportamento, de ter um humor, de tirar sarro dessa situação, de ser uma denúncia. E eu acho que tem tudo a ver: Blues, Cartoon, o Autorock, a Revista Mosh, o Fanzine e o Underground. Eu acho que tem tudo a ver.

S – Quais são as suas influências como cartunista?
Bira: Olha, [Robert] Crumb é realmente uma influência para todo mundo, com o Blues e com as caricaturas. Ele fez aqueles Cards com a história do Blues e é sensacional. Mas, além do Crumb, eu gosto muito dos brasileiros, do Ziraldo e do Henfil, um cara que na Charge Política e no Cartoon tinha uma posição quase que de um Guerrilheiro Cultural. Ele não tinha papas na língua, não passava a mão na cabeça de ninguém. Ele tinha uma posição, defendia uma posição política e brigava por ela. Inclusive, ele brigou com Angeli, que é outro cara de quem eu gosto muito, mas eles brigaram porque o Angeli achava que o chargista não podia ter lado, o chargista tinha que detonar todo mundo, tinha que ser “contra tudo e contra todos”. O Henfil dizia que não, que o chargista tinha que defender uma bandeira e que é muito fácil pra você falar que não vota em ninguém, que é anarquista, como o Angeli falava, sendo que você tem um país que precisa resolver tantos problemas profundos, de trabalho, de emprego, de desenvolvimento, de acesso à cultura, à educação, à alimentação, à moradia, à saúde e isso ai é gritante. Falar que isso não faz diferença, não é bem assim, pois eu levanto bandeiras. Sou muito criticado por isso, porque, inclusive, acabamos de publicar uma revista de Charge, “Picles”, que é uma revista da AQC, Associação dos Quadrinistas e Caricaturistas de São Paulo, e o tema da revista foi “Dilma”. Eu fiz três Charges, as três a favor da Dilma. Também fiz campanha a favor do Lula através das minhas Charges. O pessoal mete o pau, mas eu dou risada. Eu estou com o Henfil: eu me posiciono. Sou criticado por isso, porque o pessoal fala de tudo, pergunta se eu recebi dinheiro do Mensalão, esse tipo de absurdo e eu dou risada. Levo numa boa porque é humor. Quando você realmente veste uma camisa, veste uma bandeira, você esta dando sua cara pra bater, e aí a gente tá nessa.

S – Campinas possui espaço para exposições como os “Bluseiros”?
Bira: Quanto aos espaços de Campinas, eu acho que a iniciativa do Fabiano Carriero e do Daniel Etê em dar esse viés artístico ao Autorock é muito legal. Eu acho que é o caminho mesmo, Campinas precisa disso e seria legal que nós tivéssemos espaços em que, por exemplo, pudessem ter exposições como essa o tempo todo. Aqui estamos invadindo a praia do Carriero, o estúdio dele (risos), o que é uma grande coisa. Foi muito legal da parte dele abrir o espaço, montar essa exposição, mas eu acho que Campinas precisava ter mais Blues, Rock’n Roll. Isso faz parte de uma cultura Underground, e acho que a gente deveria promover mais coisas nesse sentido."

PAULO RAMOS CONTA HISTORIA DA HQ NO SESC POMPEIA (SP)

http://gibitecacom.blogspot.com/2012/02/historia-das-historias-em-quadrinhos.html
"Sábados, das 14h30 às 16h30.
O curso irá abordar a trajetória das Histórias em Quadrinhos, partindo dos primeiros exemplos, no período anterior ao século 20, até as produções atuais. O percurso histórico irá apresentar e ilustrar a evolução dos gêneros e dos trabalhos em quadrinhos sob diferentes perspectivas: a norte-americana, a europeia, a japonesa, a argentina e, por fim, a brasileira. Orientação de Paulo Ramos Duração: 12 encontros. Paulo Ramos é jornalista e professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de São Paulo. Possui pós-doutorado em Linguística pela Unicamp e doutorado em Letras pela USP. Integra o Observatório de Histórias em Quadrinhos da ECA-USP e coordena na Unifesp o Getexto (Grupo de Estudos do Texto), que pesquisa assuntos ligados a quadrinhos. É autor de diferentes livros com estudos e análises sobre o tema."
Inscrições: Terça, 28/2, para comerciários matriculados; Quarta, 29/2, para demais usuários.
Inscrições para vagas remanescentes a partir de 3/3, sábado, 10h, até o preenchimento total das vagas.
Não recomendado para menores de 16 anos
R$ 60,00 [inteira]
R$ 30,00 [usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, professores da rede pública de ensino e estudantes com comprovante]
R$ 15,00 [trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes]

EXPOS EM LONDRINA CONTINUAM
http://londrinacomiccon.blogspot.com/2012/02/exposicoes-londrina-comic-con.html
Para quem não conseguiu visitar as exposições do Londrina Comic Con, ainda há tempo! As exposições que estão localizadas no SESC Londrina e no Centro Cultural Eloyr Pacheco irão permanecer abertas para visitações até 11 de março.

Gustavo Machado desenhista de Didi Volta para o Futuro
Seguem as exposições e localizações:

Tarzan – 1912-2012 – 100 Anos
Revistas antigas e raras e placas de impressão (clichês) dos anos 1940 e 50
Curadoria: João Marin (Juka) e Eloyr Pacheco
Local: SESC Londrina (Rua Fernando de Noronha, 264 – Londrina)

O Zé Carioca de Renato Canini
A coletânea Mestres Disney #5, publicada pela Editora Abril, vai para a parede!
Local: SESC Londrina (Rua Fernando de Noronha, 264 – Londrina)

Raio Negro de Gedeone Malagola
Páginas originais do mais conhecido super-herói do Quadrinho Brasileiro
Curadoria: Eloyr Pacheco
Local: Centro Cultural Eloyr Pacheco (Av. Jorge Casoni, 2242 – Londrina)

20 Anos de Didi Volta para o Futuro
Páginas, estudos e provas de impressão com arte de Gustavo Machado
Curadoria: Gustavo Machado e Eloyr Pacheco
Local: Centro Cultural Eloyr Pacheco (Av. Jorge Casoni, 2242 – Londrina)

Mostra La Bouche du Monde
Reproduções de capas e páginas da revista editada na França por Edu Barbier
Curadoria: Seleção do próprio editor
Local: Centro Cultural Eloyr Pacheco (Av. Jorge Casoni, 2242 – Londrina)


HQ EM LEOPOLDINA (MG)

http://iforumnacionalartesequencial.wordpress.com/

Waldomiro Vergueiro: Doutor em Ciências da Comunicação pela ECA-USP, onde atua como professor titular e exerce a chefia do Departamento de Biblioteconomia e Documentação. Fundador e coordenador do OHQ. Membro do Conselho Consultivo e colaborador dos periódicos especializados International Journal of Comic Art e Revista Latinoamericana de Estudios de La Historieta, além de contribuir para as matérias dos sites Omelete ePop Corn. Organizador do livro Como usar as histórias em quadrinhos na sala de aula (Ed. Contexto). Lattes
Cesar Piva– Gestor cultural da Fábrica do Futuro.

Gestor cultural com experiência em políticas públicas de cultura e formação de redes sociais criativas e produtivas.
Atua na produção e gestão cultural desde 1987. Após uma longa militância política social e trajetória em produtoras culturais de Belo Horizonte, no interior mineiro e na Unesco no Rio de Janeiro, desde 2002 vem atuando diretamente no fortalecimento do Terceiro Setor.
Em Cataguases, Minas Gerais, coordena um programa amplo local de Cultura e Desenvolvimento local com foco no audiovisual, novas tecnologias e juventude. Um programa que tem como metas a implantação de politicas publicas e um pólo de economia da cultura na região.
É gestor cultural do Ponto de Cultura FÁBRICA DO FUTURO – Residência Criativa do Audiovisual, incubadora de diversos projetos. É gestor executivo do FESTIVAL DE VER E FAZER FILMES.
Em âmbito nacional participou da coordenação da TV TEIA dos Encontros Nacionais dos Pontos de Cultura, do PROGRAMA CULTURA VIVA, em 2006 e 2007; no conselho do Programa PONTO BRASIL da TV Brasil de 2007 a 2009.
Atualmente é do Conselho Nacional de Políticas Culturais do Ministério da Cultura – CNPC, e atua nas redes de cooperação internacional: REDECINEPORT: Angola, Cabo Verde, Moçambique e Portugal e na RAIA – Rede Audiovisual Ibero Americana, com a Argentina, Chile, Bolívia e Espanha."